08320naa a2200109 a 450000100080000000500110000800800410001924500930006026000090015352080020016277300460816410869812012-09-20 2008 bl uuuu u00u1 u #d aVinhos da serra catarinensebuma nova proposta para a produ????o de vinhos de alta gama. c2008 aAtrav??s dos tempos, v??rios autores procuraram descrever o vinho em sua totalidade. Sua cor, seus aromas, seu sabor, enfim sua nobreza. Da mesma forma, n??o foram poucos os pa??ses que trabalharam arduamente para produzi-lo com excel??ncia. Os que tiveram sucesso nesta empreitada fizeram hist??ria, e ainda hoje, s??o alvo de admira????o e respeito. Entretanto surge uma pergunta: h?? que se continuar tendo como refer??ncial de excel??ncia somente os vinhos produzidos na velha Europa e especialmente no Mediterr??neo, onde existem os mais famosos e caros grand crus? Na verdade cada vinho bem elaborado apresenta uma personalidade, uma identidade que lhe ?? peculiar. Esta identidade ?? marcada pelo seu ambiente de origem, traduzida pelo conceito de terroir. Entenda-se gen??ricamente por terroir a variedade da uva, as caracter??sticas do solo e do clima, mas tamb??m o poder transformador do homem sobre a videira e o vinho. Atualmente, a superf??cie do vinhedo brasileiro ?? de cerca de 60 mil hectares, a produ????o de uva ?? de aproximadamente 1 milh??o de toneladas, distribu??das em quase todo o territ??rio nacional. Entretanto a maior concentra????o est?? nos estados do Rio Grande do Sul, S??o Paulo, Pernambuco, Bahia, Paran?? e Santa Catarina, segundo dados do IBGE, 2002. Nos ??ltimos anos a vitivinicultura nacional tem experimentado importantes transforma????es. Entre elas destaca-se a implanta????o de vinhedos nas novas regi??es produtoras, como ?? o caso do Planalto Catarinense. Trata-se de uma viticultura iniciante, por??m j?? altamente tecnificada e origin??ria de projetos elaborados a partir de um setor organizado. Neste sentido, a prioridade tem sido o adequado gerenciamento dos vinhedos, constitu??dos basicamente de variedades nobres e, visando o m??ximo de qualidade em cada safra. Esta nova realidade j?? produz os seus frutos: os vinhos produzidos na regi??o de S??o Joaquim come??am a ganhar espa??o no mercado, atrav??s do reconhecimento das suas caracter??sticas diferenciadas. Trata-se de um vinho fino de estrutura complexa, aromas intensos, cor est??vel e uma evidente harmonia e persist??ncia na boca. Sem d??vida um vinho marcante e que pode satisfazer paladares exigentes. Estas peculiaridades s??o devidas, especialmente ??s caracter??sticas do clima desta regi??o, em fun????o da sua elevada altitude. A regi??o de S??o Joaquim est??, em m??dia, acima dos 1100m em rela????o ao n??vel do mar. Esta condi????o particular permite uma matura????o lenta e completa, com importantes aportes de taninos e antocianas al??m de proporcionar uma adequada concentra????o de s??lidos sol??veis totais, especialmente a????cares. Soma-se a isto a elevada amplitude t??rmica di??ria verificada na regi??o, o que permite a alta estabiliza????o antoci??nica e dos fotossintatos em geral. O resultado destas caracter??stica ?? um vinho realmente nobre. Outro diferencial importante desta regi??o ?? o clima seco que ocorre no final do per??odo de matura????o das uvas, ou seja, entre mar??o e abril. Ao contr??rio das demais regi??es serranas do sul do pa??s, S??o Joaquim, historicamente, ?? uma regi??o com baixa ocorr??ncia de precipita????o pluviom??trica nesta ??poca, o que permite um adiamento m??ximo da colheita sem grandes riscos de degenera????o do potencial enol??gico. Atualmente, a Epagri concentra suas pesquisas na identifica????o das potencialidades de variedades e clones que possam produzir vinhos capazes de expressar e valorizar as caracter??sticas do clima regional. As a????es acima referidas t??m car??ter de pesquisa fundamental e aplicada; t??m gerado importantes resultados, auxiliando a estrutura????o desta nova regi??o produtora, buscando aumento da qualidade dos produtos e, consequentemente, o incremento da agrega????o de valor e da competitividade dos mesmos. A regi??o possui 226 hectares de vinhedos envolvendo produtores individuais (24), empresas (8), cooperativas (02), e quatro cantinas em funcionamento com capacidade para 750.000 garrafas. O sucesso de um vinho inicia-se pela identifica????o da regi??o de plantio, da variedade adequada e por um clone de qualidade comprovada. Por outro lado, nas principais regi??es produtoras de vinho no mundo, o clima ?? caracterizado por invernos rigorosos, com muitos dias ensolarados e pouca precipita????o durante o ciclo vegetativo da videira, principalmente no per??odo de amadurecimento. Poucos s??o os climas nacionais semelhantes a estas condi????es ambientais. Em fun????o destas caracter??sticas, a regi??o de S??o Joaquim tem despertado o interesse empresarial pela vitivinicultura. Al??m da expectativa da produ????o de safras de qualidade, associa-se a propens??o dos produtores ?? diversifica????o de cultivares de videira, ap??s tr??s d??cadas de dedica????o ?? ma????. O local caracteriza-se pela predomin??ncia de pequenas unidades de produ????o e, a economia est?? sustentada basicamente pela atividade agr??cola e pela transforma????o de seus produtos. Este modelo de agricultura ?? um fator positivo para o aporte de qualidade das safras. Al??m disso, a estrutura fundi??ria, o relevo, a disponibilidade de m??o-de-obra rural, a tradi????o dos produtores, a estrutura agroindustrial, o sistema cooperativista, etc., s??o condi????es que permitem a produ????o com qualidade, rentabilidade e competitividade frente aos mercados globalizados. Estima-se que devido ?? todas estas caracter??sticas, a regi??o possa se tornar um p??lo regional importante de desenvolvimento da vitivinicultura em Santa Catarina, num futuro pr??ximo. Neste sentido, a Epagri iniciou uma s??rie de a????es de pesquisa, no intuito de identificar as reais potencialidades vitivin??colas da regi??o. Est??o implantadas seis unidades de pesquisa de forma participativa com produtores de munic??pios do Planalto Serrano, tendo cada unidade uma ??rea de 0,7 ha. As unidades est??o instaladas nos munic??pios de: S??o Joaquim, a 1.300 m de altitude; Bom Jardim de Serra, a 1.361 m; Urubici, a 1.140 m; Painel a 1.200 m; Bom Retiro, a 940 m; Rio Rufino, a 893 m. Al??m disso, foi instalada uma ??rea de 1,6 hectares na Esta????o Experimental de S??o Joaquim. Esta unidade conta com uma esta????o meteorol??gica autom??tica, visando atender as pesquisas na ??rea agrometeorol??gica, especialmente nos aspectos tangentes ?? influ??ncia do clima sobre o comportamento produtivo e fitossanit??rio das cultivares, bem como para caracterizar o efeito das var??veis clim??ticas sobre o potencial enol??gico das safras. Em cada unidade, est??o sendo testadas oito cultivares, sendo seis tintas: Cabernet Sauvignon, Merlot, Tempranillo, Pinot Noir, Syrah, Tannat, e duas brancas: Chardonnay e Sauvignon Blanc. As mudas s??o provenientes da Fran??a, e enxertadas sobre os porta enxertos: Paulsen 1103, 101-14 e 3309 C. Os sistemas de condu????o s??o do tipo Manjedoura e Espaldeira, com espa??amento de 3,0 m x 1,50 m, sendo as plantas conduzidas na forma de bra??os bilaterais permanentes, podadas no sistema espor??o. No Banco Ativo de Germoplasma localizado na Esta????o Experimental, est??o sendo avaliadas aproximadamente 65 cultivares e/ou clones no mesmo sistema de cultivo das demais unidades. Al??m das unidades mencionadas, ser??o avaliadas 36 variedades que fazem parte do convenio internacional com a Prov??ncia de Trento. Entretanto, em fun????o da necessidade de aperfei??oamento tecnol??gico das vin??colas existe a necessidade de dar in??cio a uma linha de pesquisa voltada ?? gera????o e valida????o de tecnologias que permitam a elabora????o de vinhos finos de alta qualidade, que possam refletir as potencialidades regionais, e neste sentido, as provid??ncias est??o sendo tomadas. Os resultados esperados, s??o promissores e as expectativas, tem em si, o otimismo fundamentado na certeza de que ?? poss??vel contar com uma natureza generosa e com uma for??a de trabalho empenhada na busca do vinho perfeito. O brinde ao futuro da regi??o ser?? celebrado com o melhor fruto da terra. tJornal da Fruta, Lages, SCgn. 208, 2008.